CLIPPING: CIRCUITO CULTURAL RIBEIRA DIÁRIO DE NATAL

Inscrições abertas para o Circuito Cultural Ribeira
Grupos e artistas têm até 25 de julho para inscrever projetos nas áreas de Música, Artes Cênicas, Performance e Artes Visuais
Sérgio Vilar
sergiovilar.rn@dabr.com.br

http://www.diariodenatal.com.br/2012/06/26/muito1_0.php

O edital para ocupação do Circuito Cultural Ribeira foi lançado na manhã de ontem na Casa da Ribeira. A proposta este ano é ampliar o projeto em número de espaços, público e atrações artísticas. Para isso, contou com a totalidade dos recursos captados junto às empresas Vivo e Cosern via Lei Estadual Câmara Cascudo. Serão oito edições de regularidade mensal. A primeira acontece em 12 de agosto e prossegue até maio de 2013, sempre no segundo domingo de cada mês. A dúvida é a promoção da Virada Cultural em dezembro. O projeto será apresentado à Secretaria Executiva da Lei Câmara Cascudo hoje, segundo o produtor Anderson Foca. E prevê vários polos artísticos espalhados no bairro da Ribeira e um palco principal montado no Largo do Teatro Alberto Maranhão. Segundo Foca, caso seja aprovado na Lei, o patrocínio está 100% garantido. Com a realização da “Virada”, o Circuito ganha um mês com o remanejamento da edição de dezembro para junho.

O período de inscrição de grupos e artistas para a ocupação do Circuito Cultural Ribeira começou ontem e segue até 25 de julho. A inscrição é toda feita online. No site www.circuitoculturalribeira.com.br . O resultado será divulgado dia 30 de julho. Concorrerão os segmentos Música, Artes Cênicas, Performance e Artes Visuais, em seus variados subgêneros. Um curador especialista em cada área fará a seleção.

A programação multicultural traz, segundo os organizadores, a missão de reunir na mesma plataforma de gestão, o


Edital foi apresentado ontem por Henrique Fontes e Anderson Foca, coordenadores da iniciativa. Foto: Carlos Santos/D.A Press

s espaços culturais da Ribeira. A intenção é consolidar o bairro com polo de atração e território criativo, ampliando o olhar da população à importância do bairro como patrimônio cultural brasileiro reconhecido pelo Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (Iphan). Para isso também serão ministrados seminários para discutir educação patrimonial, financiamento, gestão e economia criativa. “O sucesso do projeto no ano passado nos causou surpresa. Até diminuímos a publicidade para conter a demanda de público. Tivemos medo de a estrutura não comportar e surgir algum problema. Este ano já sabemos o que esperar e estamos preparados”. Foca lamentou a fragilidade do processo de captação e fluxo dos recursos conseguidos via lei de incentivo cultural. “Com a renúncia anunciada no fim do primeiro semestre, os projetos ficam todos reservados ao segundo semestre”.

O total de ocupações será em torno de 150, já que 20% delas serão reservadas a convites diretos da produção do evento. Todas as manifestações artísticas serão contempladas. “Não consta no edital, mas internamente temos as vagas para cada segmento artístico já reservadas”, frisou Foca. A definição de lugar e data será definida em diálogo com os artistas e proprietários das casas de show. Será levada em conta a identidade de cada estabelecimento, além da estrutura para comportar cada atração.

Valores e recursos

O projeto apresentado à Secretaria Executiva da Lei Câmara Cascudo sugeria o valor de R$ 345 mil. A Comissão achou alto o valor e reduziu para R$ 270 mil (80% descontados do ICMS e 20%de recursos próprios das empresas patrocinadoras). Com este valor, a produção do evento pretende pagar cachê de R$ 500 aos artistas e uma ajuda de custo às casas de show no valor entre R$ 150 e R$ 500. “É bom ressaltar: a ocupação dos espaços não representa um quarto dos custos do Circuito”, disse Foca.

A Virada Cultural é um sonho acalentado desde o ano passado pelos organizadores do Circuito Ribeira. Este ano está mais viável. Com um projeto orçado em torno de R$ 150 mil apresentado hoje na Fundação José Augusto, os produtores esperam aprovação na Lei para iniciar a execução do evento. A ideia é aproveitar os espaços das casas de show da Ribeira para substituir a montagem cara dos palcos.

Números e estimativas

– 8 edições do Circuito (agosto de 2012 até maio de 2013, com exceção de janeiro)
– 1 mil artistas participantes
– 200 atividades
– 13 espaços
– 500 revistas com o conteúdo dos seminários lançadas
– 80 mil pessoas

Locais do circuito

Casa da Ribeira; Dosol; Espaço à Deriva; Espaço Cultural Gira Dança; Armazém Hall; Central Ribeira Botequim; Atelier Flávio Freitas; Nalva Melo Café Salão; Consulado Bar; Buraco da Catita; Let’s Rock; Cultura Clube; Galpão 29, além de atrações e exposições na rua

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *